Translate

Arquivo do blog

Total de visualizações de página

terça-feira, 15 de setembro de 2015

ECONOMIA DO TURISMO

Conceitos 

Economia 

A palavra economia teve origem no grego oikos (casa) e nomos (norma lei). Assim teríamos o termo oikonomia que quer disser administração de uma residencia. Subentendido também como administração da coisa pública ou de um estado.

A economia estuda as alternativas pelas quais os diferentes estilos de sistemas econômicos administram os recursos limitados com o objetivo de criar bens e serviços para que possa satisfazer as necessidades ilimitadas da população. Ou seja se a finalidade é atender o maior número de anseios da população, sendo que os recursos são escasso, assim a administração desses recursos teve ser realizada de forma cautelosa, parcimoniosa, racional e eficiente. 

Turismo 

É o deslocamento temporário de indivíduos para regiões distantes dos lugares de moradia e trabalho. Nesses destinos, durante a permanência, são incluídos atividades que as atendam as necessidades do turista. 

Os conceitos mais tradicionais apenas colocam as viagens de férias, estudos, esportes, saúde, de religião e eventos etc, ignorando as viagens de negócios como parte do turismo. Contudo um ponto deve ser sempre ressaltado, o de que o forasteiro não deva exerça nenhuma atividade remunerada. 

Riqueza 

Considera-se riqueza social um agrupado de elementos materiais e imateriais que são escassos. Os bens e serviços formam a riqueza social. Seus principais aspectos são de terem serventia para as pessoas e estarem, mesmo limitados, disponíveis.

Bens: equipamentos, construções, joias, alimento, obras de arte etc.

Serviços: transportes, correio, atendimento hospitalar, segurança, agência de viagens. 

Então, se não existisse bens e serviços pouco fraquentes, a qual nômea-se de bens econômicos, fatalmente não precisaria ter o estudo da economia. Todos os bens seriam ilimitados e livres para o desfrute. 

Por causa da escassez, precisam ser produzidos, tornando um bens materiais ou de serviços. O processo de mudança é conhecido como ato de produção que se passa por três setores da economia. 

Setor primário- esta ligada a produção, por meio do uso dos recursos da natureza. 

Setor secundário- consiste nas atividades de produção que abarca as industria. É o setor que transforma a matéria prima em produto como roupa, automóvel, alimentos industrializados etc. 

Setor terciário- São as atividade de produção, a qual encontra-se os serviços. 

Concluindo, os bens e serviços gerados nos setores descritos acima compõem a riqueza de um país. A riqueza é designada como um agregado de bens e serviços que as pessoas podem utilizar para fins econômico. 

Necessidade

Os homens apresentam diversas necessidades que garantiram a sua sobrevivência. Maslow elaborou uma piramide dividindo essas em:

Básicas ou primarias que possui carácter fisiológico e as de segurança.

Secundaria que consiste em necessidades sociais, estima e auto realização. 

Além disso percebe-se que as necessidades humanas são diversas e se diferenciam de pessoa para pessoa nas mais distintas classes sociais, porém um aspecto sempre deve ser considerado, as necessidades são ilimitadas, já que à medidas que são saciadas outras vão surgindo.

Utilidade 

Utilidade é conceituada como a qualidade que os bens econômicos tem de saciar as necessidades humanas e pode também ser definida como o grau de satisfação que os consumidores confere aos bens e serviços.

Já que o consumidor não consegue ter tudo o que almeja, ele é obrigado a optar entre um e outro. Se dá preferencia a mais de um bem e serviço, ele passa a obter uma quantidade menor de outro. Independente da situação, o consumidor atua logicamente no sentido de conseguir o maior grau de satisfação com os seus gastos. 

É importante ressaltar que os bens e serviços, à medida que vão sendo consumidos no decorrer do tempo, passam a diminuir o grau de satisfação. Este efeito é conhecido como principio da unidade marginal decrescente. Ou seja a unidade (satisfação) obtida pelo consumidor de um certo bem ou serviço, decai à medida que esse consome mais unidade do mesmo. 

Além disso o consumidor determina um nível de preferências entre os bens e os serviços que são alternativos. Isso que disser que o individuo tem a opção de escolher entre os que lhe garantiram maior satisfação, uma vez que os recursos são escassos.  

Agentes econômicos

A atividade turística conta com o envolvimento de diferentes grupos e esses influenciam a maneira de produzir e de consumir. A integração dos pontos de vista, das intenções que deseja ser alcançadas e dos esforços mútuos são fundamentais para o incremento do turismo. Estes grupos são:

Os turistas: Grupo que procura varias opções de satisfação psíquicas e físicas, buscando potencializar ao máximo a utilidade (satisfação) de suas viagens. A característica das mesmas determinará, na maioria das vezes as alternativas de destinos, o tipo de transporte, de hospedagem e as atividade recreativas. 

As empresas turísticas: Este grupo considera o turismo uma oportunidade de maximizar seus lucros. São as organizações privadas que oferecem os vários tipos de bens e serviços que o mercado necessita. 

O governo: que acolhe o turismo como um fator econômico, por isso o relaciona com as entradas de receita que a população consegue através da atividade turística. Essa beneficia com as divisas alcançadas, por meio do turismo internacional e com o volume maior de arrecadação dos imposto obtidos aos gastos dos consumidores. 

A comunidade anfitriã: Corresponde aos indivíduos residentes no destino turístico. Eles consideram o turismo um fator cultural. Um dos resultados mais importante é o intercambio entre moradores e os visitantes.

É fundamental que no desenvolvimento do produto turístico que aja compatibilidade de interesses e de esforços conjuntos dos agentes citados acima. 

Produto turístico 

Consiste num agrupado de bens é serviços ligados a atividade turística. O produto turístico pode ser caracterizado como um produto conjugado, pois é constituído pelos seguintes elementos transporte, alimento, hospedagem e entretenimentos. Assim como a maioria dos outros bens e serviços, ele está disponível na natureza de maneira limitada, precisa ser produzido e é definido como riqueza social. Nestes há um número grande de maneiras pelas quais os produtos turísticos individuais podem ser combinados e repassado ao cliente. 

O produto turístico deve ser também pensado em termos de suas atrações, suas facilidades e suas acessibilidade. As atrações caracterizam-se como um dos fatores que determinará a triagem feita pelo turista diante das alternativas de visita. Este será escolhido entre um e outro. Assim são estes os componentes que geraram o fluxo de pessoas para um lugar específicos. As facilidades: São os componentes que não são os responsáveis diretos pelo fluxos turístico, mas a falta destes atrapalha a permanecia do forasteiro na região. Eles complementam os recursos turístico, dentre os quais temos as acomodações, os restaurantes, os bares, as farmácias, e a acessibilidade que inclui o sistema de transporte e o acesso a atração.

Como qualquer outro bem e serviço, o produto turístico pode apresenta-se de duas maneiras, complementares ou substitutos. Os bens e serviços complementares é o bem que não pode ser consumido sem a presença de um outro. No caso do produto turístico, ele possui quatro componentes essenciais, o transporte, a alimentação, a acomodação, e o atrativo. Cada um pode ser complementar do outro, por exemplo o transporte necessita do meio de hospedagem. Enquanto a hospedagem precisa do atrativo. O atrativo do serviço de alimentação. 

Já os bens e serviços substitutos são os que podem operar em substituição a outro. No turismo dentro de cada componentes existirá um que poderá repor o outro. Como por exemplo, o turista poderá optar chegar ao destino de trem, ao invés de ir de ônibus.