Translate

Arquivo do blog

Total de visualizações de página

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

RECURSOS HUMANOS

Sistema de Recursos Humanos



É formado por vários subsistemas sendo independentes e interligados entre si para alcançar as metas de gestão pessoal da empresa. O sistema de recursos humanos procura atuar na filosofia da empresa que são; fiscalizar as qualidades e exigências do mercado consumidor, proporcionar melhores condições na prestação de serviços ao consumidor. Através da filosofia e os objetivos da empresa que a políticas de recursos humanos vai exercer sua atividade.(CARVALHO 1989).



De acordo com Toledo (1982, p.8), os recursos humanos são conjuntos de princípios, estratégias e técnicas que visa contribuir para a atração, manutenção, motivação, treinamento e desenvolvimento de patrimônio humano de qualquer grupo organizado.



Entende-se que os recursos humanos como setor de uma organização, deve-se aplicar suas técnicas de como administrar, treinar pessoas, contribuir para a criação de clima agradável, bem-estar material, motivar um grupo.



Os recursos humanos analisam o comportamento do grupo organizado, ele é exercido por todo e qualquer membro de uma organização que tenham alguma tipo de influência no processo de gestão. TOLEDO (1982).



Segundo Marras (2002, p.64), recursos humanos, constitui-se numa espécie de agência captadora e divulgadora de técnicas e métodos de produtividade para toda a organização.



Percebe-se que o setor de recursos humanos numa organização tem como função buscar e disponibilizar informações sobre a produtividade para a empresa.


Políticas de Recursos Humanos



Segundo Carvalho (1989), a filosofia da empresa que vai definir as políticas de recursos humanos que deverão ser adequadas para trabalhar os desafios do mercado. Sua função é promover programas e incentivos para manter os funcionários na empresa, dar maior e menor facilidade em se tratando no momento de recrutar, selecionar, treinar e avaliar o empregado.


Motivação e Comportamento

A motivação interfere no comportamento do individuo que está ligada no desejo e necessidade de alcançar um objetivo. Se uma pessoa não tem sonhos e metas o seu comportamento não vai ser atraente para organização em que está trabalhando. (CARVALHO 1989).



Segundo Carvalho (1989), as pessoas buscam no trabalho a segurança pessoal,o clima de trabalho o salário adequado, o reconhecimento, a imparcialidade,,a participação, a carreira e o treinamento.
Organização dos Recursos Humanos



As funções de recursos humanos estão cada vez mais complexas em função de seu crescimento, por isto a importância de distribuir os cargos e as funções para que a empresa possa cumprir o planejamento estratégico.A organização tem a função de alcançar as metas traçadas pelo planejamento. CARVALHO (1989) 

Segundo Carvalho (1989), as funções dos recursos humanos são:

Ø                  Administração de cargos e salários;

Ø                  Relações Trabalhistas;
Ø                  Recrutamento e Seleção;
Ø                  Treinamento e Avaliação de Desempenho;
Ø                  Higiene e Segurança do Trabalho;
Ø                  Benefícios Sociais;
Ø                  Administração.


Delegação de Tarefas em Recursos Humanos

Segundo Carvalho (1989, p.34), “a delegação de tarefas é uma fonte de motivação para o trabalho.”.



O empregado quando se sente participante do processo de produção este sentimento de satisfação torna-se uma fonte de motivação.



O gerente de recursos humanos terá as seguintes vantagens ao delegar tarefas: Crescimento da produtividade do empregado na realização de suas tarefas,clima favorável no ambiente de trabalho,o funcionário participa com maior intensidade e uma melhor qualidade na execução de seus deveres, maior probabilidade de conhecer novos talentos e um crescimento da confiança entre o gerente e seus subordinados. CARVALHO (1989) 



A quem delegar?É fundamental ter conhecimento das pessoas quem vai ser delegado a tarefa. O gerente de Recursos humanos tem que conhecer bem seus auxiliares para pô-los a altura das obrigações assumidas. CARVALHO (1989) 



O que delegar? O gerente deve saber a medida certa de autoridade a ser delegada.Segundo: CARVALHO (1989)  para melhor compreender o que delegar, o gerente de RH necessita levar em conta os seguintes aspectos: ser claro e objetivo na fixação das metas e técnicas de trabalho, explicar cada etapa básica da realização do trabalho a ser executado pelo colaborador, esclarecer o funcionário sobre as duvidas acerca do trabalho a ser feito. 



Onde delegar?O responsável pela área de RH tem que saber quais os locais que precisam ser delegado, seções, setores, serviços etc. CARVALHO (1989). 
Planejamento Estratégico



Planejar é a organização das idéias a fim de identificar os caminhos para alcançar os objetivos. CARVALHO (1989).



Segundo Carvalho (1989), o planejamento estratégico é a mobilização de todos os recursos da empresa no âmbito global visando atingir objetivos definidos previamente. É uma metodologia gerencial que permite estabelecer os caminhos a ser seguido pela empresa visando elevar o grau de interação com os ambientes internos e externos. O planejamento estratégico é a resposta às perguntas como: Por que a empresa existe?O que e como ela faz? E aonde quer chegar?

Vantagens do Planejamento Estratégico


Ø   Possibilita “a direção da empresa uma resposta mais correta e atualizada a questão central:” qual é o nosso negócio?”“
Ø   Permite indicar a direção certa que a organização deve seguir no mercado;
Ø   Os objetivos válidos da empresa se tornam mais claro racionais e viáveis;
Ø   Facilita a tomada de decisões estratégicas à luz dos desafios do meio ambiente;
Ø   Evita a ineficácia e ineficiência de ações administrativas improvisadas.
Ø   Serve de apoio na formulação, implantação e controle dos demais planos setoriais da empresa.
Ø   Possibilita uma resposta mais rápida e racional a questão: “estamos empregando nossos recursos humanos, materiais e financeiros de modo correto?”.


Estratégia e Planejamento
Segundo Carvalho (1989), há uma diferença entre estratégia e planejamento. Estratégia é quando a empresa tem metas ou propósitos e estrategicamente atinge seus objetivos o planejamento estratégico é mais eficaz por que com ele podem se evitar riscos e improvisações.

 Planejamento Estratégico de Recursos Humanos

O planejamento estratégico de recursos humanos tem a função de formular estratégias para se precaver de situações e desafios que venham a surgir no ambiente do mercado de trabalho.CARVALHO ( 1989).
Segundo Carvalho (1989), os fatores determinantes do planejamento estratégico de recursos humanos.
Ø   Fatores externos: legislação trabalhista, atividade econômica,ação tecnológica da concorrência,preservação ambiental,pressões políticas e sociais .
Ø   Fatores internos: Filosofia administrativa,políticas, objetivos e procedimentos de recursos humanos,estruturas organizacional de recursos humanos.

 Fases do Planejamento Estratégico de Recursos Humanos

Ø   Reestruturação de cargos e salários
Ø   Levantamento de necessidades de recursos humanos. 
Ø   Recrutamento de recursos humanos;
Ø   Seleção de Recursos Humanos;
Ø   Planejamento de Carreira.


Treinamento



Existem inúmeras definições e conceitos sobre treinamento. Entende-se como um processo que utiliza métodos e técnicas apropriados, é parte do processo educativo do indivíduo, é um processo que visa ajudar o empregado a adquirir eficiência no seu trabalho. CARVALHO (2001).



O treinamento quando é programado para ser implantado numa empresa, ele proporcionará muitas vantagens, como o estudo e análises das necessidades de treinamento de toda a organização, envolvendo todos os níveis hierárquicos da empresa, elaboração de planos de capacitação profissional a curto, médio e longo prazo, integrando-os as metas da empresa e caracteriza tipos e formas diferentes de treinamentos a serem implantados considerando a viabilidade, as vantagens, custos, entre outros. CARVALHO (2001).

Segundo Carvalho (1989, p.57), a atividade de treinamento apresenta-se como um instrumento administrativo de importância vital para o aumento da produtividade do trabalho, ao mesmo tempo é um fator de auto-satisfação do treinando, constituindo-se num eficiente agente motivador de recursos humanos.
Entende-se que a produtividade do trabalho está relacionada ao treinamento, além de ser um motivador do treinando.

Vantagens do Treinamento




De acordo com Carvalho (1989), através do treinamento é possível se observar as seguintes vantagens:

Ø                  Envolver os níveis hierárquicos da empresa através de estudos e análises, para verificar as deficiências dos funcionários e então  instruí-los.
Ø                  Definir as pessoas que precisam ser treinadas primeiro, de acordo com as prioridades da empresa.
Ø                  Separar e definir os tipos de recursos humanos que serão aplicados,  observando a  sua vantagens,custos e outros fatores que possam considerados.
Ø                  Criar projetos que possam capacitar os funcionários a curto ,médio e longo prazos,  que sejam integrados aos planos da empresa.

As vantagens quanto ao mercado de trabalho é que define as características, racionaliza os métodos e melhora os padrões, e atribuições aperfeiçoando as qualidades e qualificações dos funcionários. Já em relação as vantagens quanto ao pessoal em serviço é melhor aproveitamento das vocações, maior estabilidade no emprego. Estímulo e fortalecimento da confiança e busca de elevação  melhorando a moral da equipe. E as vantagens quanto a empresa é a melhora dos produtos e serviços oferecidos, aumenta as possibilidades de ampliar os programas de trabalho, disponibiliza postos de gerência e supervisão, trás condições para uma adaptação ao processos tecnológicos, entre outros.(CARVALHO (1989).


Produtividade do Trabalho



Produtividade de trabalho é o resultado da quantidade física da produção tempo e a duração do trabalho para realizá-lo.O aumento da produtividade depende da qualidade e quantidade dos meios de produção como os equipamentos, máquinas, ferramentas, qualidade da força de trabalho como o nível de instrução entre os funcionários como fator de diferenciação de produção, da organização racional do trabalho e da motivação dos funcionários. MARRAS (2002).



Os fatores que influenciam para o aumento da produtividade são os fatores humanos como um bom ambiente psicológico e emocional de trabalho, salário justo, treinamento e reciclagem permanentes entre outros, e os fatores técnicos como o avanço tecnológico, utilização correta de equipamentos e ferramentas e aplicação de princípios  de organização de trabalho.



As técnicas que visam aumentar a produtividade de trabalho se dividem em:

Ø   CCQs ( Círculos de Controle de Qualidade) são pequenos grupos de funcionários “voluntários”, que se reúnem periodicamente para analisar e propor idéias no que tange a melhorias e modificações. Seu objetivo é a busca permanente de qualidade global da empresa.MARRAS (2002).
Ø   Just In Time, significa no momento certo. É também denominada de “sistema de produção estoque zero”, cuja finalidade é produzir e entregar produtos acabados no momento certo de ser vendido. Essa técnica visa a luta pela conquista do consumidor, ela se apóia no atendimento em relação às variações das quantidades produzidas e na resposta rápida de pedidos de produtos ou mudanças no comportamento do mercado consumidor. MARRAS (2002).
Ø   Sistema “Kanban” é uma técnica japonesa que tem a finalidade alimentar o “just in time”, com informações como: o que produzir, quanto produzir, como produzir e acompanhamento. MARRAS (2002).
Ø   Método “Refa”, sua função é plantar na empresa uma sólida base estrutural para aplicação de outras técnicas e método de produtividade como o CCQ. As características do Refa, é fazer bem as coisas simples antes de partir para os métodos mais modernos, os operários devem saber o que é um programa de produção, corrigir uma ferramenta e controlar a qualidade, seus objetivos são o desenvolvimento, divulgação e aplicação de experiências empresarias com foco na produtividade e humanização do trabalho. MARRAS (2002).
Ø   Produtividade e Automação, esta envolve novas tecnologias na produção industrial em relação ao aperfeiçoamento, é um avanço aos instrumentos de trabalho, ela é administrada pela informatização, ela tem influencia decisiva no aumento da produtividade do trabalho e exerce reflexos importantes na área do Recursos Humanos, como o nível de emprego,sistemas de classificação de salários e condições de trabalho. E os Recursos Humanos devem buscar o envolvimento dos funcionários que dão suporte a modernização tecnológica na empresa e na identificação destas, incentivando o envolvimento dos funcionários com a cultura empresarial, pois essas mudanças afetam o sistema de produção. MARRAS (2002).


sábado, 12 de outubro de 2013

GUERRA E PAZ -Diário de Viagem

Algumas experiências na vida tornam-se única. Uma destas foi quando fui à exposição sobre a obra “Guerra e Paz”. A pintura ficou exposta entre os dias 9 de Outubro a 24 de Novembro de 2013 no Cine Theatro Brasil em Belo Horizonte.

O painel de Portinari foi uma oferta do governo brasileiro a sede da ONU, em Nova Iorque. Foi colocado em local nobre, no hall de entrada da Assembleia Geral. No entanto a entrada é limitada aos delegados das Nações. Os murais “Guerra” e “Paz” permaneceram assim isolado da apreciação popular, até que uma reforma no edifício sede da ONU, entre 2010 e 2013, proporcionou a oportunidade de trazer a obra para a apreciação publica. É por isso que considero este momento como uma experiência única.

Logo de manhã uma fila enorme se formou na porta do Cine Theato. Sorte que chegamos cedo, por isso fomos um dos primeiros a entrar.

Achei interessante a forma como os organizadores decidiram expor a obra. Primeiramente eles levaram as pessoas para a sala de cinema e lá fizeram uma introdução utilizando como recurso um vídeo 10 minutos. Nesse foi mostrado à vida do autor, narrada pela voz de Drummond num poema. Enquanto dizia os versos, varias obras do mestre e fotos de sua pessoa foram destacadas. 

A mão

Por Carlos Drummond de Andrade
Entre o cafezal e o sonho
o garoto pinta uma estrela dourada
na parede da capela,
E nada mais resiste à mão pintora.
A mão cresce e pinta 
o que não é para ser pintado mas sofrido.
A mão está sempre compondo
módul-murmurando
o que escapou à fadiga da Criação
e revê ensaios de formas
e corrige o oblíquo pelo aéreo
e semeia margaridinhas de bem-querer no baú dos vencidos.
A mão cresce mais e faz
do mundo como-se-repete o mundo que telequeremos.
A mão sabe a cor da cor
e com ela veste o nu e o invisível.
Tudo tem explicação por que tudo tem (nova) cor.
Tudo existe por que foi pintado à feição de laranja mágica,
não para aplacar a sede dos companheiros,
principalmente para aguçá-la
até o limite do sentimento da Terra domicílio do homem.

Entre o sonho e o cafezal
entre guerra e paz
entre mártires, ofendidos,
músicos, jangadas, pandorgas,
entre os roceiros mecanizados de Israel,
a memória de Giotto e o aroma primeiro do Brasil
entre o amor e o ofício
eis que a mão decide:
Todos os meninos, ainda os mais desgraçados,
sejam vertiginosamente felizes
como feliz é o retrato
múltiplo verde-róseo em duas gerações
da criança que balança como flor no cosmo
e torna humilde, serviçal e doméstica a mão excedente
em seu poder de encantação.

Agora há uma verdade sem angústia
mesmo no estar-angustiado.
O que era dor é flor, conhecimento
plástico do mundo.
E por assim haver disposto o essencial,
deixando o resto aos doutores de Bizâncio,
bruscamente se cala
e voa para nunca-mais
a mão infinita
a mão-de-olhos-azuis de Candido Portinari."



Depois houve uma explicação sobre a obra. Para isso utilizaram o poema A Guerra e a paz de Fernando Brant


"A guerra é uma cavalgada 
cruzando o azul da paisagem
cortejo de fome e de morte
ferindo o coração dos homens

A mulher velando o filho morto
a mulher e a criança chorando
a mãe e a filha em desespero
de cabeças rolando na grama

A guerra são os quatro cavalos
regendo a sinfonia de dores
são os braços erguidos em prece
pedindo o final dos horrores
A paz é um coro de meninos
é a voz eterna da infância
as mulheres dançando na roça
os meninos pulando carniça
É a noiva de branco sorrindo
na garupa de um cavalo branco
a mulher carrega um carneiro
crianças no espaço balançam

A paz está nos meninos
que brincam nos campos da infância
nos homens, nas mulheres cantando
a harmonia, a esperança." 

Por ultimo detalhes da obra foram projetados na tela, enquanto um efeito de luz mostrava onde estes fragmentos se encontravam na pintura. Ache que essa foi uma forma espetacular para destacar aqueles minudencias que passam despercebidos.

Ao final da apresentação abriram-se a cortina e a obra foi revelada. As pessoas puderam ir até o palco para ver de perto.

Nos andares superiores podemos ver os rascunhos da obra.

Guerra e Paz

A obra de Portinari intitulado “Guerra e Paz” foi pintado entre o ano 1952 e 1956. Consiste em um conjunto de 28 placas de compensado naval, com 2,2 metros de altura por cinco metros de largura e 75 quilos cada uma. A área total pintada, uma superfície de 280 metros quadrados.

sexta-feira, 26 de julho de 2013

SETE HISTÓRIAS CURIOSAS SOBRE O HINO NACIONAL BRASILEIRO

1º O hino foi criado no ano de 1831. A letra foi escrita por Joaquim Osório Duque Estrada e a música composta por Francisco Manuel da Silva. É um dos quatros símbolos oficiais da republica federativa do Brasil. O restante é a bandeira nacional, as armas nacionais e o selo nacional

2º Inicialmente recebeu o titulo de “Marcha triunfal” para comemorar a Independência do Brasil, depois “Hino 7 de Abril”, em razão da abdicação de Dom Pedro I, foi por fim oficializado como “Hino Nacional Brasileiro”.

3º Por sua vez o Imperador Dom Pedro I também compôs um hino nacional para o Brasil. O “Hino constitucional Brasiliense”. Hoje intitulado “Hino da Independência”. A letra é de Evaristo da Veiga. Não se tornou tão popular e perdeu força como símbolo nacional.

HINO DA INDEPENDÊNCIA

Já podeis, da Pátria filhos,
Ver contente a mãe gentil;
Já raiou a liberdade
No horizonte do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá... temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

Os grilhões que nos forjava
Da perfídia astuto ardil...
Houve mão mais poderosa:
Zombou deles o Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá... temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

Não temais ímpias falanges,
Que apresentam face hostil;
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá... temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

Parabéns, ó brasileiro,
Já, com garbo varonil,
Do universo entre as nações
Resplandece a do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá... temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

4º Com a proclamação da republica foi organizado um concurso para escolher um novo hino nacional. O vencedor foi José Joaquim de Campos da Costa de Medeiros e Albuquerque (Letra) e Leopoldo Miguel (Música).

Seja um pálio de luz desdobrado.
Sob a larga amplidão destes céus
Este canto rebel que o passado
Vem remir dos mais torpes labéus!
Seja um hino de glória que fale
De esperança, de um novo porvir!
Com visões de triunfos embale
Quem por ele lutando surgir!

Liberdade! Liberdade!
Abre as asas sobre nós!
Das lutas na tempestade
Dá que ouçamos tua voz!

Nós nem cremos que escravos outrora
Tenha havido em tão nobre País...
Hoje o rubro lampejo da aurora
Acha irmãos, não tiranos hostis.
Somos todos iguais! Ao futuro
Saberemos, unidos, levar
Nosso augusto estandarte que, puro,
Brilha, ovante, da Pátria no altar!

Liberdade! Liberdade!
Abre as asas sobre nós!
Das lutas na tempestade
Dá que ouçamos tua voz!

Se é mister que de peitos valentes
Haja sangue em nosso pendão,
Sangue vivo do herói Tiradentes
Batizou este audaz pavilhão!
Mensageiros de paz, paz queremos,
É de amor nossa força e poder
Mas da guerra nos transes supremos
Heis de ver-nos lutar e vencer!

Liberdade! Liberdade!
Abre as asas sobre nós!
Das lutas na tempestade
Dá que ouçamos tua voz!

Do Ipiranga é preciso que o brado
Seja um grito soberbo de fé!
O Brasil já surgiu libertado,
Sobre as púrpuras régias de pé.
Eia, pois, brasileiros avante!
Verdes louros colhamos louçãos!
Seja o nosso País triunfante,
Livre terra de livres irmãos!

Liberdade! Liberdade!
Abre as asas sobre nós!
Das lutas na tempestade
Dá que ouçamos tua voz!

5º Como pode-se perceber o reflão Liberdade! Liberdade! Abre as asas sobre nós!  tornou-se titulo do samba enredo da escola Imperatriz Leopoldinence. Canção composita por Niltinho Tristeza, Preto Jóia, Vicentinho e Jurandir e virou .

6º O povo brasileiro não aceitou o novo hino, preferindo o antigo que realmente é bem melhor. Então Deodoro da Fonseca decidiu permanecer com o hino antigo e o hino vencedor do concurso passou a chama “Hino da Proclamação da Republica”.

7º O hino oficial, cantado hoje, tem uma introdução que caiu em desuso.

Espera o Brasil que todos cumprais com o vosso dever
Eia Avante, brasileiros! Sempre avante
Gravai com buril nos pátrios anais do vosso poder
Eia! Avante, brasileiros! Sempre avante

Servi o Brasil sem esmorecer, com ânimo audaz
Cupri o dever na guerra e na paz
À sombra da lei, à brisa gentil
O lábaro erguei do belo Brasil
Eia! Sus Oh! Sus


Para mais informações: 

quinta-feira, 27 de junho de 2013

RESUMO DO LIVRO: A pequena hotelaria e o entorno municipal




Capítulo I – Veja bem onde vai se meter



A hotelaria é um setor de prestações de serviços que vem crescendo a cada ano. Como é uma atividade que proporciona conforto, prazer e agrado para os clientes, o livro tem o objetivo de apresentar ao leitor orientações em hotelaria de estabelecimentos mais simples, para profissionais que desejam trabalhar nesta área. 


Qualquer serviço de hospedagem exige detalhes e equilíbrio nos serviços que são oferecidos, ou seja, a limpeza e a comida deverão estar excelentes e compatíveis para seduzir o cliente. O autor sugere para as pessoas que querem ampliar conhecimentos a visitarem hotéis e pousadas de várias categorias, que possuem diferentes padrões, com visão crítica para discernir as diferenças entre eles. 


A pousada que não oferece serviços variados, não quer dizer que a qualidade seja inferior e que o trabalho seja pouco. Pode-se entender que a pousada ou pequeno hotel poderá dividir as tarefas dos empregados sem especificar em um único setor, na qual vai reduzir o número de funcionários que causará no resultado final, benefícios para a empresa. 

Uma grande dica para o profissional é aprender a conviver com novos estilos no trabalho para se destacar no mundo da concorrência destas organizações e adquirir excelente desempenho nos seus negócios. Além disso, um grande lembrete, é que o mundo hoteleiro depende é da educação, ética, compreensão, consciência e o respeito da cidadania com as paisagens naturais e urbanas para que os hospedes ou turistas ao visitarem estas paisagens possam apreciá-las, levando uma boa impressão do local. 

Capítulo II – Classificação, porte e registro

Por serem diferentes sem porte, estilo e serviços, nota-se que hotel, flat, pousada e pensão são meios de hospedagem diferentes:

· Pousada: Antigamente era só para dormir e, por isso, não tinha necessidade de oferecer café da manhã; hoje tem uma atmosfera intimista, hospedes encontram-se nos lugares abertos da pousada. Ultimamente surgiu o “ashran”, que é um local de busca interior, de encontro com a natureza.

· Pensão: Feito para clientes; pessoas pagam mensalmente mais barato e moram por longo ou curto prazo.

· Flat: Apartamentos com serviços de hotel, usados pelo dono ou alugado.

· Hotel: Tem até cinco estrelas como classificação, que é determinada pela EMBRATUR. Para cada estrela, existem itens específicos determinado pelo mesmo órgão.

É preciso saber com que clientela trabalhar, pois a arquitetura, decoração e os serviços oferecidos dependem desse detalhe, pois só assim poderá adaptar o local para tais pessoas.

É importante ficar atento ao nome da hospedaria:

· Nomes em inglês e complicados são difíceis de memorizar;

· Colocar algo relacionado com o folclore da região ou fato histórico pode ser uma boa escolha;

· O mau uso da língua portuguesa não deve acontecer. Exemplo: “koisa”, “kero mais”;

· Nomes que não combinam com o local (“Hotel Alasca” em uma praia nordestina) ou nomes que não têm relação com a realidade (Grand Hotel para um hotel de pequeno porte) podem ser motivo de zombaria;

É preciso observar o local onde o hotel vai ser construído e tentar manter a cultura da região.

Para abrir um hotel é preciso de: 
Documento de registro, que é o contrato social; 
Inscrição do CGC; 
Alvará de funcionamento; 
Caderneta de Controle da Vigilância Sanitária; 
Inscrição no (contribuinte do ISS); 
Inscrição estadual (contribuinte do ECMS); 
Registro de livros trabalhistas. 

Não é obrigatório o registro na EMBRATUR, mas se precisar de qualquer financiamento este será exigido.

Capítulo III – Localização

No termo “localização” é encontrado um pequeno equívoco, pois acredita-se que uma pequena pousada ou hotel só dá lucro em lugares idílicos, porém a localização de um pequeno hotel ou pousada não importa. Muitas pessoas acreditam que a lucratividade destes vem de sua localidade, mas a lucratividade não tem uma relação direta com a beleza do lugar, apesar de que a beleza é a mais procurada pelos hóspedes.

A grande preocupação dos hoteleiros é saber onde se instalar. Todavia a prefeitura tem obrigação de informar ao pequeno empresário sob o solo resistente, as áreas em que se pode construir, sendo ambientais ou fronteiras.

Para construção de uma base hoteleira em áreas rurais é necessário informar ao IBAMA sob seu planejamento e aguardar a liberação, pois é necessário verificar se a área está sujeita a alguma proteção. Os municípios possuem “Leis de Uso e Ocupação do Solo”, por isso, para uma construção, será feita uma série de análises da área, onde serão estudados até mesmo quantos andares poderá ter sua construção.

Sobre o uso de imóveis antigos para se tornar hospedarias é proibido modificar estes por motivo de conservação do patrimônio. 

Outra grande preocupação ao se construir é ter uma boa relação com a vizinhança e participar de associações.

Contudo é necessário um bom planejamento do que deve e o que pode ser feito na região, pois o produto turístico pode prejudicar a região, como pode, também, melhorá-la.

Concluindo, ”um hotel pode (e deve) ser bom mesmo estando no meio de docas ou de uma zona industrial: há público para tudo”.

Capitulo IV – Arquitetura, decoração e manutenção

Papel da arquitetura 

O papel da arquitetura é de suma importância na escolha do estabelecimento em que o cliente vai se hospedar. A arquitetura está intimamente ligada à fantasia e imagens do mundo fornecendo varias opções. 

Uma arquitetura mal cuidada pode causar repulsa nos clientes afastando estes e os que poderiam ser indicados pelos mesmos. Sendo assim o proprietário não saberá, pois ninguém entrará para notificá-lo do desleixo da fachada.

Construção nova ou reforma 

Existem duas formas de construção: começar do zero ou adaptar-se. O partir do nada é mais fácil, pois a construção será projetada para ser uma hospedaria. Já no segundo caso só poderá fazer alterações possíveis.

Uma pousada dá lucros com mais de dez unidades habitacionais, sendo que nem sempre pode construir tudo ao mesmo tempo devido às limitações financeiras ou a falta de planejamento do crescimento.

É importante que a área da hospedagem proporcione crescimentos futuros, para isso é preciso um bom projeto incluindo um projeto de execução, que contém precisão milimétrica. 

Os chalés que comportaram um grupo de pessoas devem ser afastados dos demais, pois eles produzirão mais ruídos. Estes podem ser cercados com cercas vivas e devem existir regras de silêncio.


Dependências

Hospedagem de dez apartamentos deve ter: 
Portaria; duas gerências; duas salas de estar; 
Cozinha; duas despensas; 
Sala de comer com dez mesas; 
Banheiros sociais; dois lavabos unissex; 
Lavanderia; duas rouparias; 
Dependência do proprietário e/ou um de empregado; 
Área de circulação; 
Doze vagas de garagem; 

Tudo dependerá das disponibilidades e da dimensão dos cômodos. Crescendo o número de apartamentos, deverá crescer, também, a complexidade do serviço e da modernização. 

Os preços e as normas da casa devem sempre estar visíveis em todos os apartamentos.

Equipamentos 

Serão citados equipamentos básicos para o mínimo de conforto universal: 
Camas com dois metros de comprimento; 
Criado-mudo; 
Armário (com muitos cabides); 
Televisão; 
Ar condicionado ou ventilador de teto; 
Mesinha de escrever; 
Cadeira; 
Telas antimosquitos; 
Cortinas; 
Espelhos; 
Porta mala de meia altura 

Outros objetos que acompanham os equipamentos citados, como colchões, roupa de cama e banho, não devem ser esquecidos.

Construa com tecnologias Inovadoras

As pessoas têm a ‘mania’ de reproduzirem o que já conhecem. Isso acontece no Brasil com a tradição de embutir toda a fiação nas paredes. Hoje já se tem outra maneira de ‘esconder’ a fiação, passando-as nos cantos e sobre o forro do teto. O uso em uma pequena hospedagem é maior que de uma casa, portanto os reparos serão constantes.

É importante que procure saber das novidades da arquitetura, podendo ser observadas em feiras arquitetônicas. 

Um meio de economizar dinheiro e bens naturais é a energia solar, que mesmo o Brasil sendo um país muito ensolarado este é um meio pouco utilizado. 

Os corredores são uma perda de espaço e dinheiro. A ausência destes significa mais privacidade. 

Locais onde concentram barulho devem ficar afastados dos quartos de dormir, que devem ter um isolamento acústico para que os vizinhos não ouçam os barulhos alheios. Um hotel deve manter limites entre espaço publico e privado. 

As dimensões dos apartamentos devem ser de 20/25 metros quadrados, no mínimo, incluindo hall e banheiro. Os chalés variam do que eles irão proporcionar.

Algumas dicas são validas para os locais quentes: é importante que os quartos sejam grandes e o pé direito alto. As cores claras também influenciam no conforto térmico. Tem que pensar no tipo de material que será usado, levando em conta a região onde se localiza sua hospedagem.

Ter uma boutique dentro do seu estabelecimento é uma ótima idéia, proporcionando lucros extras e levando em conta o conforto do hóspede. Use sempre marcas de confiança.

Uma forma de você observar o que acontece na sua hospedaria é colocando-se no lugar de seus hóspedes. Outra sugestão é colocar a famosa caixinha de sugestões e treine seus funcionários para relatarem as opiniões dos hóspedes.

Estilo

Deve tomar cuidados com as fachadas para que não sejam absolutamente lisas nem usem cores pesadas. As pinturas devem estar sempre bem cuidadas para não dar um ar de desleixo. Não misturar estilos também é uma coisa importante; puxadinhos desconexos; blocos aparentes não dão boa impressão.

Muitas vezes, as escolhas dos hóspedes se dão pela divulgação de fotos na internet ou por catálogos, daí a importância de ter uma boa aparência do local. “O hotel é seu, mas é visto e percebido por todos que moram e passam pelo lugar” (A pequena hotelaria e o entorno municipal, pág. 31).

Decoração

Na escolha dos materiais leve em conta a durabilidade. O turista paga pela qualidade, que não deve cair. Quanto mais popular for sua hospedagem, maior será o desgaste.

Os banheiros devem estar sempre rigorosamente limpos, essa é uma das maiores exigências dos brasileiros. Para facilitar a limpeza, não coloque os equipamentos grudados uns aos outros. Não menos importante são os moveis, que devem estar sempre em bom estado. A pintura das paredes deve ser clara para controle da sujeira e estar sempre em boas condições. Manter os carpetes sempre limpos é importante. Os materiais devem ser duráveis e de fácil manutenção. 

O entorno vegetal dever ser bem cuidado e preservado, pois é ele que dá moldura da edificação.

Manutenção

Calcula-se que o gasto com a manutenção gira em torno de 15% dos lucros de um hotel, mas esse valor pode variar com a qualidade dos materiais e do serviço empregado.

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e a ISSO 9004-2 dão especificações úteis para os hoteleiros. 

O checking-list é um auxilio muito útil para a manutenção do estabelecimento, ele faz com que se tenha uma manutenção preventiva que é de grande valia.

Tenha uma caixa de ferramenta e um manual “Faça você mesmo” para que possa fazer pequenos reparos.

Capítulo V – Cozinha

Primeiramente pousada era apenas um lugar para dormir, livre de obrigações. Atualmente, o principal serviço, para que a pousada se mantenha, é a alimentação. Vale lembrar que muitas hospedarias não disponibilizam o café da manhã por desinformação ou inexperiências. Apesar de que, o café da manhã não é uma obrigação da hospedaria, porém a comida não pode faltar, pois isto fará com que o cliente procure outro lugar.

Cada país tem sua forma e o que serve no café da manhã. A China, por exemplo, serve verdadeiros almoços. Por isso é importante lembrar que cada país tem que seguir sua origem alimentícia, originando também a ortografia da região que, não escrita corretamente, pode gerar zombarias.

O serviço alimentício em uma hospedaria é um dos setores que mais gera lucros. A disponibilidade do famoso almoço self - service é muito mais fácil para a hospedaria, por ser um recurso mais viável.

A estrutura da cozinha exige equipamentos, utensílios e um chefe de cozinha disponível sempre. A despensa deve estar sempre com produtos variáveis, pois é importante o estoque estar cheio.

As refeições são primordiais sejam elas básicas ou não. Uma pequena lista pode gerar diferentes receitas. Lembrando que é necessário agradar diferentes paladares.

Capítulo VI – Serviços Prestados

De acordo com o autor, o serviço que é oferecido aos clientes tem que estar de acordo com que o hóspede está pagando, de forma que proporcione excelência em tudo, para que não ocorram problemas e reclamações por parte do turista.

Para evitar falhas e constrangimentos numa hospedaria é necessário treinamento e manual de instrução para os funcionários, para adquirir disciplina, higiene e competência nos setores em que se relacionam como recepção, limpeza, cozinha, manutenção e outros. Uma das coisas que não pode faltar na recepção são listas de hospitais e caixa de primeiros socorros, caso o hóspede necessite. 

A limpeza é um dos serviços que mais exige atenção e cuidado, pois o cliente vai fazer análise crítica do hotel ao ter contato íntimo com a roupa de cama, banheiro e quarto, na qual causará a boa ou a má impressão do estabelecimento. 

Capítulo VII – Informatização

A informatização é fundamental para o pequeno estabelecimento, pois proporciona funcionalidades úteis àqueles que dispõem de poucos funcionários.

Atualmente, o empreendedor possui diversas opções quando se trata em escolher um software administrativo ou gerencial. Com a evolução do mercado de tecnologia em informática houve um aumento na oferta dos diversos tipos de programas da área de gestão hoteleira e em geral, isto favorece e reduz os custos de implementação deste tipo de sistema.

Um sistema de informática, quando bem implementado, permite à administração obter imediatamente todas as informações pertinentes ao estado atual do seu estabelecimento: finanças, cobranças, reservas, contas e etc. Isto na maioria das vezes em um único terminal de computador, em programas com interface amigável e de fácil manuseio.

È importante ressaltar que a informatização da logística hoteleira permite agilizar, de maneira substancial, todos os procedimentos administrativos, além de conferir um alto grau de confiabilidade e redução de erros a estes.

Capítulo VIII - Animação

Tenha um espaço reservado para eventos, como um terraço, uma sala de estar entre outros. As pessoas gostam de ambientes que proporcionam encontros com outras pessoas. Elas também podem se distrair dentro do quarto com televisão e vídeos programados. 

Os espaços destinados a animação devem ter um isolamento acústico para não incomodar as pessoas que preferem um bom sono.

É indicado ter um local reservado para a leitura, com revistas e jornais atualizados. É interessante que seu estabelecimento tenha jogos comuns, como de cartas, formação de palavra, damas. Jogos eletrônicos fazem muito barulho, não são indicados para o clima de pousada.

Os hóspedes gostam de indicações para passeios disponíveis, deve-se dar indicações seguras e adequadas.

Capítulo IX – Empregados

Os pequenos hotéis, geralmente são administrados por famílias, pois os custos são mais baixos, mas há exceções, e alguns empregados são necessários. A gerência deveria ser ocupada por algum dos proprietários da pousada, mas para isto acontecer, esta pessoa precisa ser capacitada para tal cargo, ou tem de se dispor a aprender em pouco tempo com muita dedicação.

O gerente tem um papel primordial dentro de um hotel, seja o hotel grande ou pequeno. Sem o gerente tudo se desmorona, pois ele tem que entender de tudo um pouco, para que tenha uma boa administração. É necessário ter conhecimento de línguas e experiência em outras hospedarias. Embora seja difícil pagar o salário que ele merece, a sua forma de ação é que trará lucros para o hotel. Este trabalha enquanto os outros se divertem.

É preciso entender os desejos do cliente, e fazer com que os funcionários não cometam falhas, pois é aí que está a diferença entre os concorrentes. 

Um treinamento entre os funcionários deve ser feito, para que sintam motivados em trabalhar no hotel e possam se engajar em planos de carreira. 

O reconhecimento de um bom serviço realizado pelo funcionário deve ser seguido de elogios, principalmente ao observar que eles estão com uma boa aparência, com higiene, com o tom de voz educado, andar e com bom humor no trato com os hospedes. 

Circuitos de organização de um hotel: 
Administração – é a parte que cuida das compras, controles e livros contábeis. Divide com um contador externo as partes de alimentação e cozinha, bar-restaurante e almoxarifado, hospedagem, recepção e telefonia e chefia de serviços. 
Recepcionista ou porteiro – são os funcionários que recebem todos, atende telefone e fazem todos os serviços que são oferecidos ao hotel. Têm finíssimo trato e, de preferência, conhecimento em inglês e/ ou espanhol. Têm de ser discretos ao receberem recados dos hóspedes, serem hábeis ao contornar as dificuldades que surgem da parte dos hóspedes para com a pousada. 

É preciso fazer um plano de carreira para que o porteiro não seja tentado a abandonar o hotel por causa de seu baixo salário. Pois a esperança de ocupar uma posição diferente dentro do hotel, o faria mais dedicado e a concorrência poderia fazer essa oferta para ele.

Antes de contratar de fato um funcionário, faça um período de um mês de experiência, se possível, nos períodos de alta temporada, para ver se o candidato suprirá as necessidades do hotel. 

Feita a contratação do candidato, invista na sua habilitação para ocupar o cargo efetivamente. 

Não é necessária a permanência de empregados em períodos de baixa temporada em pequenos hotéis. Isto faz com ele esteja livre para se ocupar em outros serviços, como por exemplo: uma boa faxineira pode cuidar de 15 quartos por dia em um pequeno hotel, caso tenha menos quartos, ela pode ser aproveitada em outros serviços. 

Tanto o proprietário quanto o novo funcionário precisam ser polivalentes. Porém algumas ressalvas devem ser feitas: pessoas que cuidam da limpeza de banheiros não devem mexer na cozinha. Mas um homem pode limpar os cômodos, jardim, piscina e colocar as roupas na máquina de lavar. A capacidade acumulativa do funcionário deve ser observada.

O hotel deve ficar sempre pronto para receber hóspedes, pois os profissionais que elaboram guias turísticos sempre chegam e vão embora sem que o proprietário fique sabendo. Fazem isto para vê a naturalidade do lugar. Por este motivo é importante que os donos do hotel e os funcionários sejam sempre gentis e profissionais com os hóspedes.

Capítulo X – Promoções pelo Turismo e pelo Entorno Hoteleiro

O turismo no Brasil está cada vez mais abusivo. Por esse motivo os turistas estão preferindo ir para os Estados Unidos, Europa, Caribe, pois lá tudo é mais fácil e mais em conta: compras, passagens, hotéis. Não adianta ter pacote turístico se os preços não são acessíveis. Não dá para fazer turismo com tanta violência no país, sem a ajuda do governo para melhorar.

Associações

É importante a participação dos hoteleiros em associações de turismo. Essas associações devem ter membros de todas as áreas que se beneficiam com o turismo: além dos hoteleiros, donos de restaurantes, de agências de viagens, de transportes. A participação destes não deve ser tímida, deve ser forte e segura. Com as associações o local fica mais preservado e o turismo aumenta.

É interessante pensar na propaganda do hotel. Montar eventos e promoções. Por algumas propagandas serem caras, as associações ajudam com a redução dos custos.

Os projetos de eventos chamam dos turistas, mas para estes projetos saírem do papel é necessário que haja investimento. E estes só são feitos se tiverem garantia de que terão o dinheiro de volta e de que o projeto é muito bom.

Projetos que devem ser feitos no Brasil são os que têm atrativos turísticos diversificados, como na Europa: museus, espetáculos, todos que não se relacionam com o sol, diferentemente do que os brasileiros acham. Os brasileiros devem tirar da cabeça que o turismo no Brasil só existe por causa do maior astro.

Como o governo tem outras missões e não pode focar só no turismo, é função das associações de turismo focar nesse item. Além disso, as associações poderiam, também, fazer um trato com companhias de transporte, tanto aéreo quanto rodoviário, para descontos em pacotes.

Promoções Individuais

Os hotéis que ficam abertos em baixa temporada, têm o mesmo custo como se estivessem sem ninguém ou com uma ou vinte pessoas. Por isso é interessante lançar promoções. A “melhor idade”. Por exemplo, seria bom recurso, pois, normalmente, eles têm mais tempo. Mas a animação caberia à sua criatividade e aos limites dos hóspedes.

Outro modo de promoção é o convênio, que seria com associações e empresas. Nesse caso é preciso ser persistente, pois a concorrência pode, também, ter convênios, mas ela pode não estar apta a oferecer todos os serviços com excelência como os da sua hospedaria.

A Luta pela Cidadania

O seu voto e sua ação política são muito importantes para a cidadania. 

Pense nas melhorias que podem ser feitas, avalie as alternativas políticas e vote com consciência.

Capítulo XI – Mudando de estrelas

Os hotéis de luxo, 5 estrelas, têm que seguir pré-requisitos exigidos pela EMBRATUR.

A estrutura arquitetônica tem que ser impecável, iluminação devidamente calculada, jardim, piscina etc. 

Cada apartamento deve ser diferenciado, móveis, aparelhos eletrônicos, tecido dos lençóis, sala de estar, tudo deve refletir o luxo e a boa qualidade. 

Os empregados devem ser qualificados para todos os serviços, devem ter iniciativa, estar bem vestidos, falar mais de uma língua. 

Os produtos utilizados no preparo do alimento têm que ser frescos e os pratos bem decorados. As receitas têm que acompanhar a cozinha internacional. 

O hotel deve transmitir ao hóspede, através do bom atendimento, o sentimento de ser uma pessoa privilegiada. 

Algumas pessoas preferem investir em propriedade antiga, com o objetivo de trazer o requinte do passado. Porém deve-se ter cuidado ao investir em propriedade com valor histórico, pois há limitações na reforma e pode ocorrer da propriedade não atender aos luxos que a modernidade exige. 

É importante ressaltar que a propaganda mais importante é a feita boca a boca, através do bom atendimento e dos que são feitos pelas colunas sociais.