Translate

Arquivo do blog

Total de visualizações de página

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

DIFERENÇAS ENTRE AS SÍNDROMES DO TRABALHO

Segundo a OMT o turismo vem crescendo e está se tornando uma atividade econômica importante em todo mundo. Neste ambiente de progressivo aumento, o ramo de viagens está se igualando à setores do petróleo, produtos alimentícios ou de automóvel. Por isso a indústria do turismo vem contribuindo significamente para o crescimento do PIB e para a geração de empregos diretos e indiretos.

Com o aumento dos postos de trabalho e a crescente competição entre as empresas turística, faz com que os funcionários fiquem vulneráveis ao ambiente opressivo e exigente. O que não é bom, pois a atividade turística está incluída no setor de serviços, por isso tem que lidar diretamente com a clientela. Esse envolvimento tão próximo do freguês torna fundamental, nas empresas de sucesso, ter empregados bem treinados, que sejam hospitaleiros e preparados para lidar com problemas decorrentes no cotidiano. No entanto situações do dia a dia revelam transtorno subseqüente do ambiente conturbado. Dentre as quais está a síndrome de burnout, síndrome do lazer e a síndrome do desamparo

Síndrome do desamparo
A ideia de perder o emprego é o que mais aterroriza o trabalhador. Não há quem não tenha na vida levando esta hipótese e não tenha se afligido com possibilidade de ficar sem salário para pagar as contas.

Então a síndrome do desamparo é quando o medo de perder o emprego vira obsessão. É como se a pessoa estivesse com uma síndrome do pânico. Só que neste caso o individuo senti-se como se tivesse em constante ameaça de ser demitido. Geralmente ocorre em empresas em ritmo de falência e em momento de instabilidade no mercado ou crises econômicas.

Os sintomas apresentados são irritabilidade exagerada, agressividade inflexibilidade na vida pessoal e impotência sexual.

Síndrome do lazer ou Workaholic.

A pessoa não consegue desligar de suas funções e torna totalmente dependente do ambiente de trabalho, ou seja, o workaholic é um viciado.

Nesta situação a pessoa passa por mudanças no desempenho do metabolismo, refletindo na produção normal de hormônios. O individuo com a síndrome, esta sempre sob o efeito da adrenalina que é o hormônio produzido em estado de estresse e que deixa alerta tanto o corpo e a mente. A saturação de trabalho faz as glândulas operarem de forma incomum fazendo com que, no decorrer do tempo, o organismo passa a aderir ao novo estilo de vida.

Freqüentemente o workaholic trabalha em qualquer momento. Até mesmo nas férias, porque recebe descarga descomunal de hormônio.  No escritório tenta esticar a permanecia no serviço ou traz as afazeres para fazer em casa. O convívio com os familiares e amigos e mínimo.

A síndrome do lazer pode acarretar transpiração exacerbada, inquietação, gastrite, dores de cabeça e dores nas costas.  

Síndrome de burnout

A expressão burnout vem do inglês e significa burn- queimar out -exterior. O termo indica que o esgotamento emocional é tanto que começa a refletindo no estado físico do trabalhador. As causas desses distúrbios são a dificuldade de construir relacionamento, a pouca colaboração entre os colegas e a falta de equilíbrio entre a vida particular e o trabalho.

Pessoas com a síndrome apresentam sintomas como cansaço físico e mental, distúrbios do sono, dores musculares e de cabeça, irritabilidade, mudança no humor e de memória, dificuldade de concentração, falta de apetite, depressão e perda de iniciativa.

Os workaholic são mais suscetíveis a esta síndrome, pois se dedicam muito ao trabalho, por isso passam por altos níveis de estresse.

Referência

World tourism organization acesso: http://openletter.unwto.org/

Hospital Albert Einstein acesso: http://www.einstein.br/einstein-saude/em-dia-com-a-saude/Paginas/sindrome-de-burnout.aspx