Translate

Arquivo do blog

Total de visualizações de página

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

OS DESAFIOS DO ECOTURISMO



As questões relacionadas ao meio ambiente passaram a ganhar relevância na Conferencia Mundial do Meio Ambiente em 1978, onde foram realizados acordos que visam o desenvolvimento sustentável. Nesta conferencia procurou-se analisar a compreensão da realidade ambiental, levando em consideração aspecto político, econômico, ético, social, cientifico, cultural, ecológico, histórico e tecnológico.

Desde então, verificou-se a importância de estabelecer meios para a preservação do meio ambiente. Dentre as quais, a definição de metas para a diminuição de gazes nocivos ao ambiente, o desenvolvimento de maneiras adequadas para o tratamento do lixo, despoluição dos rios, diminuição das queimadas, substituição das formas convencionais de energia para a fontes limpa e renovável. Destaca-se a educação ambiental como método permanente e continuo na busca de um desenvolvimento voltado a preservação do meio ambiente, dentre os mecanismos desenvolvido para a conscientização ambiental esta o ecoturismo.

A finalidade do ecoturismo é conciliar a atividade turística com o meio ambiente de forma a conserva-lo, permitindo o turista obter um contado com a natureza e a cultura, buscando educar as pessoas envolvidas por meio da interpretação do meio. Os visitantes se relacionam com o espaço e os residentes de forma conscientente. Embora este segmento permite utilizar os recursos naturais e culturais de modo sustentável há uma má utilização deste termos que é as vezes é confundido com o turismo de aventura.

2. DESENVOLVIMENTO

No século XIX, houve uma valorização dos recursos naturais, provocando um novo comportamento diante das áreas naturais.  Costa (2002, p. 28) demonstra que o ecoturismo foi inicialmente definido como um retorno às origens do homem ao meio natural em seu estado primitivo. Posteriormente, em 1992, o Congresso Mundial de Ecoturismo conceituou a atividade como, turismo destinando a apreciação da natureza através do conhecimento e interpretação dos valores naturais e culturais presente, permitindo a integração com a comunidade local, de modo a minimizar os impactos negativos.

O turismo tornou-se uma atividade econômica fundamental para o desenvolvimento de um país, uma peça importante de preservação do meio ambiente e do manejo adequado para o desenvolvimento das atividades apropriada, ou seja a busca da sustentabilidade. Segundo Lustosa (2005) As atividades relacionadas ao lazer e ao turismo vem ganhando relevância, tornando-se um dos setores que mais crescem no mundo, mobilizando recursos e criando novos espaços turísticos. Dentre os espaços inseridos nas leis ambientais brasileiras esta a Reserva Particular do Patrimônio Natural- RPPN que são áreas particulares destinadas a conservação ambiental pelo uso sustentável.

Lustosa (2005) enfatiza a importância dos eventos internacionais para um novo posicionamento ambiental ao analisar que ate 1989 as RPPN não poderiam ser consideradas áreas protegidas, com ECO-92 restabelece o interresse pelo turismo ecológico que já era praticado por um relevante número de pessoas. Este tipo de atividade turística recebeu a designação de ecoturismo ao sofrer influências ambientalistas e ao impregnada conceitos conservacionistas.

Embora as RPPNs tenha a finalidade de explorar os lugares de maneira sustentável, Lustosa (2005) expõem as principais dificuldade em aplicar os princípios do ecoturismo. Nas RPPNs são permitidas atividades de interesses científicos, culturais, educacionais, recreativo e de lazer, porem o lazer compreendido como uma atividade comercial.  enfraquece a finalidade do ecoturismo. Observa-se que este é transformando em um item para relações publicas, pois o ecoturismo é uma forma de criar uma boa imagem da empresa. Muitas vezes o mercado não distingui turismo de aventura e ecoturismo, vendendo pacote de forma errada. Como observado por Lustosa (2005) Quando uma região demonstra forte valorização torna-se consumível e o que pode ser verificado nestes lugares e a turistificação que é a assimilação do lugar pelo turismo. Este se artificializam quando há uma maior preocupação com os visitantes do que o ambiente.

De acordo com Lustosa (2005) O ecoturismo é entendido como uma alternativa para regiões fraca economicamente, por esta impregnado de ideologias ambientalistas que tem a finalidade de promover a sustentabilidade, porem os diversos projetos denominados como ecológicos tem este objetivo como fachada, pois, ao perceber o grande potencial natural, o interesse econômico sobrepõem-se ao social, cultural, ecológica, política e a espacial visto que estas dimensões deveriam interagir-se é não uma impor-se a outra.

Costa (2002, p. 79) declara que a ausência de planejamento e fiscalização é a causa dos prejuízos ambientais, transformando a atividade ecoturismo em turismo predatório. Ao atraírem empreendedores inescrupulosos que pretende obter lucro rápido, verifica-se pouco interesse pela conservação ambiental. Assim há o desenvolvimento do comercio ilegal de aves e plantas, ampliação da procura inrregular dos atrativos gerando estresse ambiental e aumento da poluição ambiental.    

A superação dos aspectos econômicos tem desfavorecido estudos sobre a realidade dos aspectos relacionado a natureza, a cultura e aos psicossociais. Fatos que segundo Lustosa (2005) afeta diretamente as populações tradicionais ou residente, pois a implantação das áreas de conservação negligencia os modo de subsistência da população residente, considerando estas prejudiciais ao meio ambiente. Assim não dispõe de outra alternativa para esta. Marginalizando a população do processo turístico não obedecendo o direito de participação da comunidade .

3.Conclusão


O ecoturismo apresenta inúmeras vantagens quando aplicado de forma correta, ou seja, respeitando a integração do social, natural e econômico. Alem de ocasionar uma mudança de comportamento que ira contribuir para a preservação do meio ambiente.

A forma correta, de estabelecer o ecoturismo e manter um planejamento constante nas áreas naturais, analisando os eventuais erros e propondo ações para o futuro. Uma das formas de planejamento é Plano de Manejo nas Unidades de Conservação e a criação de sedes que irão gerencias estas áreas. Outro ponto importante e a verificação das leis vigente e o entendimento do que seja o ecoturismo, por parte da população, porque este tipo de turismo, geralmente é confundido com turismo de aventura. As pessoas devem esta consciente de sua participação na atividade turística, pois a população é um dos fatores de sucesso desta atividade. 

Costa (2002, p. 73) pontua algumas considerações que garante o desenvolvimento do ecoturismo. Dentre as quais: contribuir para o crescimento sustentável das áreas adjacentes e de seus moradores; verificar as especificações de cada local, pois cada um precisa de estratégia, princípios e políticas especificas; deve estabelecer critérios em que permita a obediência de todos; efetivar a colaboração da comunidade no desenvolvimento do planejamento, gestão e regulamentação; os atores devem estar bem informados e conscientes dos possíveis impactos negativo;  o planejamento das infra estrutura e os sistema de comunicação deve ser realizadas de modo a minimizar impactos negativos.    

Referências

Lustosa, Isis Maria Cunha. RPPN, Eco turismo, Populações Tradicionais: Dilema de uma Política de área Particulares Protegidas, Disponível em: http://www.revistas.ufg.br/index.php/bgg/article/viewArticle/4111 Acessado em 05 out.2009.

Costa, Patrícia Cortes  Ecoturismo São Paulo: Aleph,2002 .4.ed